beethoven-nota

Em Manchester, um concerto que não tem preço

Em Manchester, um concerto que não tem preço

Como seria se espectadores de concertos pudessem decidir o preço do ingresso?

Mais ainda: se eles pagassem somente no final, caso tivessem gostado, e pudessem atribuir quantias de acordo com o valor daquela experiência musical?

A Orquestra Hallé, da Inglaterra, resolveu fazer a experiência — pelo menos uma vez.

Será no concerto "Clássicos que não têm preço" (Priceless Classics), marcado para 6 de setembro na sala sinfônica Bridgewater Hall, em Manchester.

 

Orquestra Hallé em sua sede, o Bridgewater Hall

Bridgewater Hall: sede da Hallé

 

Dirigido prioritariamente ao público que não frequenta eventos de música clássica, o espetáculo terá dez obras de curta duração. Todas as peças serão introduzidas por um video explicativo.

Entre cada música, será possível entrar e sair da sala, ir ao bar comprar bebida (e voltar com o copo), sair para fumar, usar o telefone ou simplesmente dar um tempo do lado de fora. Pode-se bater palmas sem restrições.

O espectador deve reservar os ingressos com antecedência por email. Mas o pagamento, que não é obrigatório, será realizado apenas após o termino, na bilheteria ou pela internet, via site ou smartphone. A quantia deverá considerar o quanto o concerto agradou a cada um.

A Hallé divulgou um clip no YouTube sobre o evento (video em inglês):

O diretor executivo da Orquestra Hallé, John Summers, disse em entrevista ao site da BBC que o objetivo deste espetáculo é convidar as plateias em dúvida se vale a pena frequentar concertos.

"Queremos que o público se sinta à vontade, sem qualquer pressão para seguir a etiqueta dos concertos. Estamos inclusive estimulando os músicos da orquestra a se movimentarem no palco", adiantou Summers.

O gestor  esteve no Brasil em 2014 para participar da Conferência MultiOrquestra, em Belo Horizonte. Sua palestra de abertura enfatizou os novos lugares que o grupo ocupa na sociedade, em termos de inovação, educação e transformação.

O repertório do concerto Priceless Classics terá trechos de obras de Bach (Suite orquestral N3),  Handel (Música aquática), Mozart (Concerto para trompa N.4), Beethoven (Sinfonia N.5), Verdi (A força do destino), Wagner (Marcha funeral de Siegfried), Stravinsky (O pássaro de fogo — veja clip abaixo), Bartók (Concerto para orquestra), Ligeti (Concert romanesc) e John Adams (Short ride in a fast machine).

A Orquestra Hallé é um dos mais tradicionais grupos sinfônicos do Reino Unido, com sede em Manchester. Foi fundada em 1858 pelo regente e pianista Sir Charles Hallé. Seu atual diretor musical é Mark Elder.

Clique aqui para ouvir o Boletim VivaMúsica! na Rádio CBN sobre o "Concerto que não tem preço", da Orquestra Hallé.

 

Posted in Concertos.